Cultura Organizacional

Cultura Organizacional

Você sabe o que é uma cultura organizacional?

Cultura organizacional é um sistema de valores compartilhados pelos seus membros, em todos os níveis, que diferencia uma organização das demais. O grupo wSAC conta com pilares institucionais que compõem nossa cultura organizacional, confira-os:
Cultura1

1. INTEGRIDADE:

A integridade faz parte do seu conjunto de valores fundamentais. De acordo com o dicionário Aurélio, integridade vem do latim integritate e representa a qualidade do íntegro, fundamentada pela retidão e imparcialidade.
O ser humano integro não oscila de acordo com o momento presente ou de acordo com a sua conveniência desrespeitando leis normas regulamentos que valem para toda a sociedade.
Integridade requer a prática de princípios universais como paz, amor, respeito, liberdade, humildade, igualdade, coisas simples que independem de credo, origem, cor e nível de instrução. Integridade depende do óbvio. O que vale para mim vale para você e para o mundo inteiro.

2. COMPROMISSO COM O RESULTADO:

Será que os profissionais têm dimensão do que realmente significa “estar comprometido”?
Há várias maneiras de se comprometer com uma empresa. Você pode se comprometer a não faltar, a ter uma boa perfomance, mas há um comprometimento que realmente faz toda a diferença: o compromisso com o resultado.
Quem se compromete com o resultado de um trabalho ou projeto, automaticamente, cumpre todas as outras etapas esperadas dele. Quem assume a postura de entregas o melhor, facilita os processos, colabora com a equipe, busca alternativas para resolver os problemas, em vez de ficar se lamentando ou dizendo que “não tem jeito”. Quem se compromete com o resultado deixa o ego de lado, oferece ajuda, dá suporte, enfim, põe a “mão na massa”.
Um profissional comprometido planta a semente do entusiasmo, dois contagiam uma equipe. E uma equipe comprometida tem tudo para adquirir a excelência.
Os profissionais que ainda alimentam pensamentos e posturas como “Eu fiz a minha parte. Se não deu certo, não é culpa minha”, não estão de fato comprometidos, apesar de acharem que estão. Quem está, pensa diferente: “Por que não está dando certo? O que podemos fazer para mudar isso? Como podemos resolver o problema?”
Comprometa-se com o resultado, motive seus parceiros e, assim, você estará comprometendo também com você, com seu desenvolvimento e a sua satisfação pessoal.

3. CONHECIMENTO:
O conhecimento é o conjunto de informações que o indivíduo adquire por meio da sua experiência, aprendizagem, crenças, valores, e insights sobre algo no decorrer da sua trajetória. A pessoa que detêm o conhecimento é capaz de saber alguma informação ou instrução e a mesma pode mudar comportamentos e auxiliar na tomada de decisão.
O conhecimento é capaz de transformar vidas e, se utilizado devidamente, contribui significativamente para a construção de um mundo melhor. Trata-se de um processamento completo e subjetivo da informação absolvida por um indivíduo.
São exemplos de conhecimentos: o conhecimento sobre um fato, o conhecimento acerca de um produto/serviço, o conhecimento proveniente de estudos ou experiências, o conhecimento das leis, o autoconhecimento, etc.
O conhecimento é o principal fator de influência nas decisões, atitudes, comportamentos e perspectiva. Ele expande o potencial infinito do ser humano.
O autoconhecimento diz respeito ao conhecimento que o indivíduo tem sobre si mesmo. Quando ele desenvolve tal habilidade, trabalha seus pontos de melhoria, entende quais são seus medos, limitações e expectativas fortalece sua inteligência emocional, repensa repensa suas atitudes e se adapta mais facilmente ás mudanças.
Mais importante que obter conhecimento é gestão aplicada a ele, ou seja: de que forma a pessoa, utiliza o conhecimento adquirido para transformar sua vida e a das outras pessoas, sempre para melhor.

4. INOVAÇÃO:
O computador já existia antes de Jobs, a ciência já existia antes de Einstein. Então quem de fato criou algo completamente do zero? Não existe uma resposta precisa, mas uma percepção de como as coisas vieram em evolução constante e é exatamente isso que é ser inovador. É pegar algo que já existe e transformar em outra coisa, é melhorar a forma como fazemos o que já fazemos.
Há esta categoria de grandes inventores, mas de qualquer forma sempre houve este movimento de evolução e isso não parou e nem vai parar, está aí Apple, Facebook, Google e tantas outras inovações que mudaram a maneira como estamos vivenciando, interagindo e sentindo o mundo e isto se perpetuará.
Por isso temos que estar com as nossas antenas ligadas para saber como as coisas estão acontecendo e a velocidade que elas acontecem. Há pouco mais de 20 anos atrás estávamos descobrindo a internet no Brasil. Parece que foi há milênios e foi só 20 anos atrás. E hoje em dia já estamos falando em Inteligência Artificial e tantas outras tecnologias que despontam como se fosse um filme futurístico. E não é!
Ser inovador requer prática e vontade e muito menos talento do que se imagina. Persistência sobre as coisas é a chave para ser inovador, é não estar satisfeito como fazemos o que fazemos, é querer melhorar algum ponto em detrimento de um bem maior.

5. SUSTENTABILIDADE:
O objetivo do desenvolvimento sustentável é preservar o planeta e as necessidades humanas. De modo que um recurso natural explorado de forma sustentável dure pra sempre.
O uso consciente de recursos naturais, as novas alternativas e as ações relacionadas ao planeta são iniciativas para o bem-estar coletivo. Já que o desequilíbrio causado por nossas atitudes erradas como meio ambiente é um problema em nosso presente.
É de extrema importância buscar novos caminhos para a economia, sociedade e cultura, de modo que garanta a continuidade da existência humana e do planeta terra.
A questão importante é conhecer o modelo de sociedade em que vivemos e saber se somos baseados no consumo extremo ou nos cuidados com o meio ambiente. Questionar se realmente estamos fazendo algo errado, que está impactando a natureza e a sociedade.

6. TRANSPARÊNCIA:
Sinceridade é palavra-chave para que a transparência organizacional funcione em sua sua totalidade. E isso não só na comunicação externa (imprensa, clientes etc.), mas também, e principalmente, na esfera interna.
A solidificação de uma imagem transparente da corporação está diretamente ligada a uma estrutura de boa convivência entre colaboradores e liderança. Para que isso ocorra, os feedbacks devem ser parte da cultura e do cotidiano e da empresa.
Contudo, a franqueza deve ser uma via tripla: de colega para colega, de líder para colaborador e de colaborador para líder. Analisar de forma positiva um feedback recebido é ter maturidade para saber que a pessoa que lhe disse aquelas palavras duras confia na sua capacidade de absorvê-las e empenhar-se para melhorar.
As reações iniciais, geralmente, são emocionais. Porém, é preciso suprimi-las para racionalizar em vez de discutir. A transparência é uma ferramenta importante para gerar confiança.

 

 

Comentários

Compartilhe esse Post

Deixe uma resposta